Adega dos Gajos: o Pêra-Manca

Pêra-Manca, ícone do Alentejo, relação direta entre o tradicional e o moderno na região (Foto Pedro Mello e Souza)

 

Pêra Manca, um dos ícones entre os vinhos portugueses, rótulo mais cobiçado entre os tintos alentejanos, será uma das estrelas da adega do Gajos d'Oro, escolhida pessoalmente por um dos sócios da casa, o sommelier André Vasconcelos.

Por ser tão raro e cobiçado, os executivos da Fundação Eugênio de Almeida, responsável pela produção do vinho, fecharam um contrato com a Casa da Moeda de Portugal, que emitiu um selo com holograma para a identificação de cada garrafa.

Pêra Manca é um vinho multidisciplinar. Envolve histórias de descobrimentos, do Brasil ao Alentejo. Envolve discussões que vão das linhas dos rótulos à arte das falsificações. Envolve o avanço dos vinhos jovens e o lado venerável das velhas uvas.

E envolve até as antropologias, das geológicas às linguísticas, com rápidas pinceladas de metafísica: no melhor estilo Dia da Marmota, foi provisão de bordo das caravelas rumo às Índias, mas, a rigor, acaba de completar 30 anos.

 

Foto: @pedromelloesouza